Roteiro das vans em Porto Alegre

Quanto mais divulgar, melhor, então, aí vai o roteiro das vans.

Elas estão dispostas para atender o máximo de percurso possível nas vias principais, pelo que entendi.

bom… o link está aí embaixo, é para o site do clicrbs.

http://gaucha.clicrbs.com.br/rs/noticia-aberta/veja-mapas-das-vans-escolares-durante-a-greve-dos-rodoviarios-em-porto-alegre-74584.html

 

Deu piriri no Pampa Burguer

Na quarta, dia 25, almocei no Pampa Burguer da Venâncio Aires. Até tudo bem.

Na quinta, durante o dia, comecei a passar mal. Atribui a indisposição ao almoço do dia, mas na realidade não era. No final do turno da tarde eu já havia visitado o banheiro algumas vezes.

Ao terminar o dia, com febre, avisei aos colegas que talvez não tivesse condições de trabalhar na sexta.

Ao sair do trabalho, vi um carro do SBT, mas não atribui a nada. Nem procurei motivo para a equipe estar ali. Só queria mesmo ir para casa.

Durante a noite e todo o dia seguinte, sexta-feira, fiquei mal. Não pude trabalhar, passei o dia em casa em constantes visitas ao banheiro.

Depois de chá e imosec, me contaram que o Pampa Burguer havia sido interditado. Como já estava melhor mesmo, acabei não indo ao médico. Nem sei se há como comprovar ou não, uma vez que já havia passado a crise, tratada em casa. Aliás, nem sei como poderia ir ao médico sem… passar mal no caminho.

Só no sábado me senti normal novamente. No domingo, liguei para um colega e este me relatou que teve uma diarréia leve, mas que outro colega passou um pouco mais de trabalho, por assim dizer.

Abaixo está anexo duas notícias a respeito e o facebook do Pampa Burguer.

Eu nem sei se devo ligar para alguém sobre isso, para que conste mais um na lista de vítimas desta ocorrência.

Já estou bem, mas com um restaurante a menos na lista de opções.

 

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2012/01/vigilancia-inspeciona-lanchonete-do-rs-por-denuncia-de-intoxicacao.html

 

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI5582660-EI8139,00-RS+tem+intoxicacao+apos+lanche+restaurante+e+interditado.html

 

http://www.facebook.com/PampaBurger?sk=wall

Salsicha, sausicha, salchicha ou sauchicha…???

– Amor, não esquece a salsicha para o cachorro-quente do lanche das crianças.

– Aqui nesse mercado não tem salsicha.

– Como não? Procurou bem?

– Só achei salchisa. Serve?

 

 

E, ah, do outro lado do painel tem outro cartaz, igual.

Cortesia da mesma rede de supermercados deste post aqui.

Em tempo: o correto é salsicha, ok?

Cowboy Junkies – The Nomad Series, Volume 3 – Sing In My Meadow (2011)

“This is going to be an album of Acid Blues. Songs of sex and violence.”

Promessa feita, promessa cumprida. Menos cowboy e bem mais junkie, o terceiro disco do projeto The Nomad Series continua o desafio a que a banda se propôs na metade de 2010, que era de lançar 4 discos inéditos em 18 meses.

Sing In My Meadow tem um clima predominantemente lisérgico e denso que, além de não ser exatamente uma novidade no som da banda, serve como excelente pano de fundo para os sempre reconfortantes vocais de Margo Timmins, que dão vida ao peso de letras como “one night he chose to choke is wife, until the light that was there turned cold”, da música de abertura, Continental Drift.

Na ótima 3rd Crusade, um ritmo mais acelerado reforça o comentário da busca de riquezas em conflitos justificados por diferenças religiosas. E em como você pode ser levado a acreditar em um lado ou outro, no refrão “i’ve been told what you’ve been bold, believing in that shit that you’ve been sold”, terminando de maneira pessimista com a declaração “the rich still get richer, the poor still spill their blood, the poppies grow in Kandahar and the oil still flows in Saud.”

Late Night Radio e Sing in My Meadow, a faixa-título, se destacam com seus excelentes refrões e andamentos cadenciados, enquanto Hunted reaparece com suas letras que se encaixam no tema do álbum, mas cuja regravação não se distancia muito da original que aparece em Pale Sun, Crescent Moon, de 1993.

À exceção de duas composições em parceria com o sempre excelente baixista Alan Anton, Michael Timmins escreve todas as letras e melodias, e continua explorando efeitos, ruídos e distorções na sua guitarra. O baterista Peter Timmins segue como ponto importante na sonoridade e a participação de Jeff Bird na harmônica e no mandolim acrescenta vários bons momentos e detalhes à audição.

É possível ouvir o ótimo Sing In My Meadow e outros discos no site oficial dos sempre confiáveis Cowboy Junkies, que chegam aos seus 25 anos de estrada ainda experimentando e incorporando novas sonoridades ou revisitando e reinventando recursos dos discos anteriores, sem perder o controle ou, o mais importante, sua identidade. Recomendado.

O Corcunda do Gasômetro

Lá vamos nós em mais uma tentativa de reanimar o Alerta Geral.

Mas não muito, pq essa é uma história antiga minha. Eu dei uma “remasterizada”, mas ela foi feita em 1994 e selecionada para o III Salão Internacional de Desenho de Imprensa do mesmo ano.

Pela data, vocês podem ver que não tem nada a ver com o comercial de uma famosa marca de cerveja que foi veiculado há um tempo atrás…

E eu espero que gostem, claro.

Carro roubado

Minha amiga foi assaltada e levaram o carro dela. Carro, documentos e até um bolo que ela ia levar para uma festa.
Chinelagem.

Quem puder, por favor mande informações.
Abaixo coloco o texto da divulgação que ela está fazendo no seu perfil do facebook.

“DIVULGUEM! POR FAVOR Twitter, e-mail, o que for! Fui assaltada a mão armada neste sábado à noite e levaram o carro do meu marido, um peugeot 206, azul escuro, placa IJO 9933, de Porto Alegre. Quem souber de algo pode enviar e-mail para peugeotroubado@gmail.com. Desde já agradeço.
placa IJO 9933, de Porto Alegre.
Quem souber de algo pode enviar e-mail para peugeotroubado@gmail.com.
Desde já agradeço.”

Nós do AG, também agradecemos por qualquer ajuda que algum visitante puder enviar. Estamos torcendo pela recuperação do veículo.

Cadê os agentes de trânsito quando se precisa multar alguém?

Veja só este flagrante. Capturei esta imagem agora de manhã, na frente de uma agência do Banco do Brasil. Como se pode ver, o veículo está parado em frente ao acesso para cadeirantes.

Enquanto o veículo permanecia ali, o colega foi ao banco para uma visita ao caixa eletrônico. Nada demais dar uma paradinha para ir ao banco, porém, particularmente nunca estacionaria naquele local. Como bom cidadão, procuraria outra vaga ou deixaria o carro num dos estacionamentos pagos nas redondezas. E se aparecer um cadeirante? Vai dar a volta na garagem do prédio ao lado?

Não lembro bem qual é a empresa dona do veículo, se alguém reconhecer, por favor nos diga.