Edição

Segundo Stanley Kubric, a diferença entre o teatro e o cinema está na edição, pois foi a única real contribuição dada por essa mídia para se contar uma história. A música, vinda das sinfonias, os efeitos, tanto sonoros quanto visuais sempre estiveram presentes no palco, mas a edição, esta sim pertence ao cinema.

Eu, como fã do cinemão, sempre achei o momento do corte interessante. Por vezes, ele demora, por vezes é frenético. Tudo depende do que a história exige e sem dúvida, o que o diretor quer. Entretanto, também há diretores como Steven Spielberg, que já admitiram que nunca interferem no trabalho do editor. As vezes um frame é o que separa algo genial de algo ridículo na tela. As vezes, os vários takes de um ator são montados numa sequência, para que este no final, tenha apenas as melhores expressões ao viver um personagem. Isto quer dizer que o editor é tão importante para a interpretação de um ator quanto o próprio.

Ontem eu postei sobre um documentário também da parte técnica de um filme, hoje novamente. Não foi planejado, apenas um assunto puxou outro. O documentário a que me refiro é THE CUTTING EDGE: THE MAGIC OF MOVIE EDITING, de Wendy Apple. O documentário é de 2004 e é uma verdadeira aula sobre cinema. Vale muito a pena assistir.

Uma resposta

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: