Marillion – Sounds That Can’t be Made (2012)

Nem vou tentar um trocadilho com o título.

Nada de trocadilho com o título dessa vez…

O mais recente disco de estúdio do Marillion teria sido um excelente EP (para os padrões atuais) se contasse apenas com Gaza, Power e The Sky Above the Rain.

Sounds that Can’t be Made (realmente precisava daquele riff de teclado totalmente datado?), Pour My Love, Invisible Ink e Lucky Man são até boas canções, mas não estão à altura das três citadas acima e realmente só funcionam em alguns momentos ou nas suas metades finais. Em Montreal, a banda tem uma boa performance no geral, mas a música se arrasta durante muito tempo sem chegar a lugar nenhum.

Com apenas algumas passagens realmente memoráveis aqui e ali (alguns refrões, especialmente o de Power; ou os dois primeiros terços de The Sky Above the Rain e Gaza de uma maneira geral), faltou algo para ser a obra-prima anunciada em várias resenhas e comentários que li desde o lançamento do disco – ao menos pra mim, é claro.

(Leia a respeito aqui também.)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: