DeCOHENlogo

Primeiro uma justificativa: ninguém combinou nada com antecedência, mas o que acontece é que ao começarmos este site cada um foi mais ou menos dirigindo suas preferências temáticas para aquilo que conhecia melhor: Tcheloco sobre  tecnologia, SempreAlerta sobre música, Espantalho sobre cinema e eu sobre livros – e essa ordenação varia pouco na maioria dos posts assinados por nós quatro (as garotas são mais ecléticas).

Leonard Coé, hein?

Leonard Coé, hein?

Um dia nosso camarada SempreAlerta levantou a sugestão: e a se agente trocasse? Achei bacana, mas não cheguei a topar com nada que em um primeiro momento me entusiasmasse a dar pitaco sobre música, por exemplo, quando nosso camarada SempreAlerta é muito mais qualificado para escrever sobre isso – embora tenha andado meio mudo, ultimamente. Aí enquanto escrevia uns troços no computador, um CD do Leonard Cohen amontoado com outros na escrivaninha me acendeu essa fagulha (ele fica ali com umas duas ou três coisas avulsas que eu realmente gosto e que de vez em quando eu gosto de escutar enquanto estou escrevendo – duas ou três mesmo, não escuto mais tanta música quanto antes). E Cohen era uma ótima saída: ele é ao mesmo tempo clássico e pouco conhecido para a maioria, o que me permitiria dizer bobagem sem passar vergonha (rere). Então, camaradas, finalmente resolvi me arriscar além de minha própria seara e elaborei este pequeno decálogo, ou melhor, deCohenlogo, com “10 razões pelas quais você deveria curtir Leonard Cohen tanto quanto eu”. E já, no processo, apresentar o cara para quem não o conhece.

Clique no Leia Mais aí embaixo e enjoy

1 – Cohen é um escritor-compositor, e não o contrário
Gabriel, o Pensador, resolveu virar escritor infantil. Madonna idem. Chico Buarque, depois de fazer nome como um dos maiores compositores musicais em qualquer língua, decidiu virar finalmente “romancista” – eu gostei muito de Budapeste, mas os outros dois estão abaixo da crítica. Do mesmo modo, Nelson Motta se descobriu romancista e já lançou três deles. Bob Dylan lançou, depois de já ser Bob Dylan, Tarantula, uma experiência que só fez a cabeça de quem estava chapado pela contracultura. Depois, suas Crônicas, que são ok mais como testemunho. De toda essa fauna, o canadense Leonard Cohen é um dos que transitam na maré contrária. Já era um nome consolidado como poeta e havia granjeado uma boa reputação com o lírico romance Beautiful Losers (1966) quando finalmente lançou o mitológico Songs of Leonard Cohen (1967). Há que se respeitar quem passa das praias amplas do romance para a concisão melódica de uma canção de alta qualidade. Mais: Cohen trouxe para suas músicas um senso narrativo que as transforma em pequenas histórias musicadas, na melhor tradição da canção-conto em língua inglesa praticada por gênios do rock e do pop como Lou Reed, Bob Dylan ou o próprio Johnny Cash.

2 – A voz
Sim, eu sei, nosso amigo Espantalho vai se erguer aí a qualquer momento para berrar que não, que “a voz” era o Sinatra, mas aqui eu quero dizer a voz mesmo, a emissão sonora produzida pelo aparelho fonador de um indivíduo. A de Cohen é grave, densa e arrastada como um rio lamacento, mas ainda assim agradável. É um vozeirão de crooner que canta com melancolia, mas não é rascante a ponto de se tornar desagradável, como de um Tom Waits, por exemplo. Quando canta, Cohen pode ser ao mesmo tempo sedutor e sofrido, honesto e frágil, o que é uma combinação rara, principamente no mundo cheio de pose “bate-palma-pra-mim-que-eu-sou-foda” da música pop.

3 – Um sucesso na experimentação musical
Cohen
não é um virtuose do instrumento, embora seja um grande cantor, mas suas canções transitaram ao longo destas mais de quatro décadas de carreira por ritmos e temas variados sempre com um grau de sucesso e qualidade que não se encontra em qualquer fenômeno atual. Ele fez músicas a partir de bases da tradição sacra (como Bird on a Wire ou a Hallelujah que mais tarde Jeff Buckley e Rufus Wrainright regravariam também com interpretações pessoais dilacerante), de canções patrióticas da II Guerra (The Partisan), das hediondas experimentações eletrônicas dos anos 1980 (The Future, Everybody Knows e First we Take Manhattan), de ritmos tradicionais modernizados por ele (Take This Waltz) e mesmo da canção clássica na linha Sinatra e Tony Benett (I’m your Man e Ain’t no cure for Love).

– Famous Blue Raincoat
Uma sofrida e complexa história de traição, fraternidade e desamor em uma canção dolente que dura pouco mais de cinco minutos. Na narrativa apresentada na canção, um homem dirige uma carta ao mesmo tempo amarga e afetuosa a um amigo que tempos antes teve um caso com sua mulher. A complexidade desse tipo de relação triangular nos anos em que a música foi composta (fim dos anos 1960, incluída, não por acaso, em um disco chamado Songs of Love and Hate, de 1970) é retratada de forma elíptica e ao mesmo tempo muito clara: Yes, and Jane came by with a lock of your hair / She said that you gave it to her / That night that you planned to go clear/ Did you ever go clear? – canta o narrador.
E enquanto a narrativa pode ser deduzida na primeira audição (And you treated my woman to a flake of your life / And when she came back she was nobody’s wife), há referências sutis que dão mostras de algumas das obsessões do próprio artista, como no seguinte verso: You’d been to the station to meet every train / And you came home without Lili Marlene – uma referência à canção popular que, na II Guerra foi adotada por ambos os lados do conflito. Uma alusão sutil à Jane mencionada na música, amante dos dois homens da história.

5 – Chelsea Hotel #2
Canção paradigmática por três motivos: o primeiro é sua beleza, o segundo é que se trata de uma crônica apurada do feérico panorama artístico do cenário musical americano nos anos 1960, e o terceiro é que talvez seja uma das poucas canções já compostas por um astro da música narrando a noite em que traçou outro astro (este tipo de trocadilho funciona melhor em inglês, mas eu quis dizer “estrela”) da música. Traduzindo, esta canção é sobre Janis Joplin, que passou uma noite com Cohen no quarto nº2 do lendário Hotel Chelsea de Nova York (o mesmo onde Dylan Thomas morreu bêbado, Hemingway teria escrito Por quem os Sinos Dobram e Sid Vicious foi acusado de matar a namorada Nancy Spungen). Talvez ele tenha sido um calhorda ao escrever isso – na verdade a música foi escrita depois de Janis ter morrido de overdose pouco tempo depois daquela noite, e perpassa pela letra uma melancolia que de alguma forma mostra que aquela noite marcou Cohen o bastante para que ele inventasse sobre ela um sentimento particular traduzido na canção: Ah but you got away, didn’t you babe /you just turned your back on the crowd / you got away, I never once heard you say / I need you, I don’t need you / I need you, I don’t need you /and all of that jiving around. Não é necessariamente um sentimento real, mas é o que poetas fazem, no fim das contas.

– Suzanne
Primeira obra a chamar atenção para o talento de Cohen como compositor, e responsável, na gravação da cantora Judy Collins, por tornar conhecido o nome daquele artista ainda iniciante. É uma pequena jóia poética, narrando o encontro com uma mulher fascinante que, consta a crônica, existiu na vida real, era uma poetisa e artista plástica de Toronto. Consta também que ele teria se apaixonado por ela enquanto passavam longas tardes tomando chá, conversando e passeando à beira do rio, elementos singelos de uma amizade e de uma comunhão espiritual retratados com delicadeza nos belos versos: And you want to travel with her / And you want to travel blind / And you know that she will trust you / For you’ve touched her perfect body with your mind. A canção também oferecem uma curta porém impactante visão pessoal de Cohen sobre o espiritualismo religioso em geral e o Cristianismo em particular: And Jesus was a sailor/When he walked upon the water / And he spent a long time watching /From his lonely wooden tower / And when he knew for certain / Only drowning men could see him /He said “All men will be sailors then /Until the sea shall free them” / But he himself was broken / Long before the sky would open / Forsaken, almost human / He sank beneath your wisdom like a stone

7 – Hey, That’s no way to say goobye
Questão muito particular, claro, mas esta música figuraria, para mim, sem favor algum, entre as 10 melhores coisas já escritas sobre separação (ao lado de For no One dos Beatles, Ain’t not me, Baby de Bob Dylan e outras que eu teria que cavar na memória para chegar a 10). Convenhamos, qualquer música que tenha um verso como “Eu te amei pela manhã / seus beijos profundos e mornos / seu cabelo sobre o travesseiro / como uma sonolenta tempestade dourada” já conta muitos pontos.

8 – Sua influência consistente
Cohen é uma referência inegável em Nick Cave, Nick Drake e no já citado Jeff Buckley. Sua classe e sua poesia cool firmaram bases até hoje seguidas pelos novos integrantes da já mencionada linhagem da canção poético-narrativa. Não chega a ser uma influência avassaladora como a de Dylan ou mesmo de Johnny Cash, mas também Cohen tem seu lugar assegurado no rol dos grandes compositores românticos-sem-ser-bregas (ok, às vezes).

9 – Ele é um mestre budista
Mestre mesmo, ordenado depois de anos vivendo em um mosteiro. Pode parecer uma bobagem, mas numa época em que popstars se tornam célebres por terem overdoses, entrarem e saírem de clínicas de reabilitação como se estas fossem os pátios ajardinados de suas próprias mansões, ter um artista relevante que se retira de tudo, mesmo da música por alguns anos, é louvável. Mesmo que isso normalmente redunde em pouco benefício musical – a fase católica de Bob Dylan não é das mais inspiradas, com a exceção de Gotta Serve Somebody, e o Tim Maia Racional é algo que vale pelo gênio musical de Tim mais do que pelas letras (desculpem, pessoas, mas letras para mim são importantes).

10 – Ele foi casado com Rebecca de Mornay

Quer fazer um dueto?

Quer fazer um dueto?

Certo, esta é uma razão bem pouco “artística”, mas para aqueles que, como eu e talvez os demais integrantes deste site, tiveram na sua adolescência o vislumbre das formas generosas da atriz, sempre dadivosamente mostradas em filmes como Negócio Arriscado (na foto, é aquele com o Tom Cruise montando um puteiro em casa), a sofrível refilmagem E Deus Criou a Mulher e mais tarde o suspense falhado Nunca Fale com Estranhos, só podem respeitar o cara que andou pastando em campos tão verdejantes.

4 Respostas

  1. E como que eu vou me arriscar a escrever qualquer linha sobre música depois desse post???

  2. Bah, lembrei de Hallelujah, talvez a música mais “coverizada” da história. Coisa linda, vá….

  3. A não ser que o sujeito faça uma grande bobagem,
    é difícil não se arrepiar com qualquer versão dessa música…

  4. I am regular reader, how are you everybody? This paragraph posted at this
    web site is truly nice.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: