Ratatouille?

Não sou nenhum Anton Ego, o crítico de gastronomia de Ratatouille, mas gosto de comer. Diria que gosto de comer bem. Então, resolvi começar a postar sobre os lugares onde acabo fazendo alguma refeição, lanche e afins. Não tem exatamente uma linha, pode ser no boteco da esquina, na padaria ou naquele restaurante cinco estrelas.

É apenas a minha singela experiência num estabelecimento. Vou dar minha opinião sincera, coisa que pode fazer a diferença entre acabar com o prazer de comer ou então, voltar no lugar mais vezes.

Por exemplo, a experiência da vez é o Restaurante Baviera, na beira do guaíba, em Ipanema. Bem localizado, de frente para aquele por-d0-sol maravilhoso. A decoração é rústica, mas creio que a impressão desejada é que o cliente se sinta num lugar aconchegante. Até aí, tudo ótimo. Assim que você chega é que começam os problemas.

Embora você seja bem atendido, o cardápio deixa dúvida. Não se sabe se o prato é individual ou para duas pessoas. Pelo preço, poderia ser para duas pessoas, mas na verdade, não é. Tudo bem, nada contra pagar um pouco mais para ter o melhor atendimento, ambiente… ok. Vamos passar adiante.

Fiquei observando a caixa de som equilibrada sobre o muro. Juro que achei que ia cair na cabeça do cliente na mesa abaixo. Ela ficava lá… trepidando… Chegou o chopp. Quente e com o copo quente. Nada de copo resfriado. O chopp deve ter ficado um tempo pronto, esperando o garçom, pois a espuma já havia descido.

Algum tempo depois, vem os talheres. Num saquinho plástico. Um almoço daquele preço merecia um talher colocado na mesa ao menos. Sei não… não simpatizei. Vinte minutos depois, veio o peixe com molho de queijo. O filé veio com aquela parte preta do peixe, que deixa o gosto amargo. O molho não era lá muito amistoso e a salada tinha sido tirada da lata de conserva, cortada no prato e servida assim mesmo, pois aquela água da conserva estava ajudando a esfriar a comida. O detalhe especial foi o arroz. Embora muito bem preparado, a porção era menor do que o normal. Na verdade, o arroz foi a única coisa que comi.

Conclusão, a comida não é uma porção para uma pessoa e tampouco é bem preparada. Tanto que não comi um quarto do prato servido e nem o chopp terminei. Chopp quente não dá para aguentar.

Resumo de 1 a 10

Restaurante Baviera, em Ipanema

Ambiente: 6

Atendimento:  7

Comida: 4, o arroz salvou a pátria

Bebida: 5

Não recomendo.

Anúncios

8 Respostas

  1. Que coisa mais Manaus… Quanto custou a garfada no rim?

  2. Ratatouille é tudo de bom! Comprei pra Gigi o DVD duplo. Quando for ai vou seguir sua dica e fugir desse a!
    Abraços, meu velho!

  3. Nota 5 prum chopp quente?

  4. O copo estava limpo.

  5. Copo limpo vale 5? Caraca, Derli, tu é bonzinho paca.

  6. Os caras acabaram pontuando 22 em 40: acima da média, se esta for cinco.

  7. Tcheloco, deverias ter ido ao Piriri.
    Vai querer comer filézinho com molhinho, dá nisso.

  8. Se bem que teve uma vez que a gente resolveu comer ‘filézinho com molhinho” naquele restaurante ali na República que dizia que o prato era para duas pessoas e mesmo que só um comesse, ia ficar faltando rango…

    Peão é foda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: