Como estragar um belo trabalho

Com um bom orçamento, geralmente se consegue fazer um bom trabalho.

Daí, a Globo resolve fazer uma minissérie sobre a Maysa (a cantora, não aquela menina esquisita e irritante).

Fazem um tremendo auê sobre a produção… prometem um roteiro bacana e acabam fazendo um roteiro que parece ter sido escrito pela Maysa(não a cantora já falecida, mas aquela menina esquisita e irritante).

A Maysa teve uma vida absolutamente doida. Na minissérie ela vira uma “mulher a frente de seu tempo”. Doido é doido, em qualquer época e ponto final. Mas tudo bem… A não ser um filme sobre a vida de Buddy Holly que vi faz tempo, nenhum outro trata o ídolo-zumbi de forma humana. Ele é sempre uma caricatura. Nem o Jim Morrison se salva disso.

Bom… então vamos compensar com a produção. A coisa vai até os anos 70. Isso quer dizer que para mostrar a cidade, tem que ter efeitos especiais. Vamos então fazer a melhor abertura, com o melhor acidente de carro jamais feito no mundo.

Daí… os caras se puxam. Fazem gráficos melhores do que o GTA IV e mandam ver na interação com live action. Digno de muito filme de Hollywood…

E acho que deixaram o estágiário cuidar da continuidade. No meu tempo, quando a gente vira o volante para um lado, o carro acompanha. Pelo menos foi a impressão que tive.

Anúncios

8 Respostas

  1. Quando o próprio filho dirige a biografia materna, acontece isso: bêbada vira alcóolatra, pôrra-lôca vira limítrofe, doida varrida vira pessoa instável e mãe relapsa vira alguém que ama sua arte acima de tudo.
    Era bom o asfalto da Rio-Niterói naqueles tempos: a Brasília nem trepida. Mas tá bem feitinho.

  2. A propósito… Precisei só de duas ou três frases pra sacar que a mina é conterrânea. Sotaquezinho carregado.

  3. Ah, sim. Não esqueçamos. A grande mensagem é… Se a sua vida sempre foi errada não mude. Se tentar mudar o rumo, acaba batendo o carro e morre.

  4. “a Brasília nem trepida. ”
    Percebi o “carrinho de brinquedo” também, espantalho.
    Bem feitinha mesmo a cena, mas… desnecessária, digo, não precisava gastar tanto com tão pouco.

  5. Vai ver foi por isso que a mulher se estabacou. Virou o volante prum lado e o carro foi pro outro.
    Fora isso, não achei os efeitos ruins. Tem muito filme lá de fora com coisa bem pior.

  6. Vocês me conhecem. Meu principal problema com essa minissérie é com o texto e com o artificialismo da coisa toda. O texto é ruim, um clichê atrás do outro, e a montagem das situações é tosquíssima. Perto disso, não consegui nem reparar nos problemas técnicos muito bem apontados pelo Tcheloco.

  7. A próxima a ser beatificada vai ser a Elis Regina. Aposto que nem de pó e árco a doida vai morrer mais…

  8. Esse Bôscoli era chegado numa tarja preta…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: