Entre a foice e o martelo

McCarthyismo é o termo utilizado para designar a onda anti-comunista que varreu os EUA entre os anos 40 e 50. Durante esse período inicial da Guerra Fria o país alimentou intensa paranóia com relação à influência soviética sobre as instituições norte-americanas. Ainda que tenha surgido em às atividades do senador Joseph McCarthy, com o passar do tempo a palavra adquiriu sentido mais amplo, não mais necessariamente ligado à figura do político. Ao longo dessas obscuras páginas de sua história, milhares de norte-americanos foram acusados de serem comunistas ou simpatizantes do comunismo, sendo por esse motivo alvo de intensa investigação. Muitos perderam seus empregos, suas carreiras e até mesmo sua liberdade durante a chamada caça às bruxas. Esse quase estado de exceção causou desagrado à opinião pública, e devido à sua própria natureza anticonstitucional acabou impedido de continuar. cover_01

Impedida de usar o poder de polícia, a cruzada contra o perigo vermelho resolveu atuar no terreno ideológico, buscando conquistar os corações e as mentes dos jovens estadunidenses. Uma dessas iniciativas foi publicada em capítulos na revista Treasure Chest, no ano de 1961, com o título This Godless Communism.

A série já começa bem, com uma carta ao leitor escrita pelo próprio diretor do FBI na época, o lendário Edgar J. Hoover. A carta alerta os jovens da a necessidade de conhecer melhor a ameaça vermelha. O próprio Hoover, um salta-pocinhas que cultivava o alegre hábito de vestir lingerie por baixo do terno, faz uma aparição especial no gibi.hoover-e-a-carta

Logo em seguida, passamos a presenciar como seria a vida de uma família de classe média norte-americana sob o jugo soviético. Imediatamente após tomar conhecimento da invasão, através da TV, a família corre até a igreja, em busca de conforto espiritual. Descobrem, entretanto, que todas igrejas, sinagogas e demais locais de culto foram fechados. Eram rápidos esses vermelhinhos!
A sede do governo é transferida pra Chicago (sabe-se lá o porquê) e os monumentos que simbolizam o antigo regime democrático são destruídos. A família termina esfacelada, com a mãe e o pai em campos de trabalho distantes e os filhos sob a tutela do Estado.
familia americana sifú sob o regime comunista.
Esquerda: a maneira soviética de lidar com o passado. Direita: família americana sifú sob o regime comunista.
- Te llamas Trótski?

- Te llamas Trótski?

Seguindo o conselho de Hoover, passamos então  a conhecer melhor o inimigo: a história do comunismo é recordada através de minibiografias de personagens-chave, como Marx, Lênin, Stálin e Kruschev. Os dois últimos são retratados como se fossem o próprio Romãozinho encarnado aqui na terra. O que até não duvido que fossem.

Merece atenção a representação da morte de Trótski: o sorrateiro assassino mexicano, com seu clássico bigodón, sombrero e um daqueles ponchos multicoloridos, é o retrato de um miguelito adulto.

Quer conhecer melhor o inimigo? Clique aqui.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: