Sabedoria fílmica

Essa o Espantalho vai adorar…

Estava zapeando a esmo na internet e topei com a existência de um livro escrito pelo crítico e apresentador de TV norte-americano Richard Crouse: Os 100 melhores filmes que você nunca viu, uma coletânea de críticas e resenhas e entrevistas sobre os 100 filmes considerados “cult” pelo autor do livro, coisas tão díspares quanto Casamento à Indiana, de Mira Nair, e filmes gore desconhecidos americanos (e com isso não estou me referindo ao Uma Verdade Inconveniente, o último grande filme GORE).

O interessante é que na página 71 o crítico enumera suas 10 citações de filmes preferidas. E lá, em primeiro lugar, está o recém-citado Dr. Phibes:

Amar significa nunca ter de dizer que você é feio…
Dr. Anton Phibes (Vincent Price), em O Abominável Dr. Phibes (1971)

E pra quem ficou curioso, seguem as primeiras cinco (não sei se levo fé em alguém que cita um filme do Adam Sandler, mas vamos nessa):

2 – Querida, há uma aranha do tamanho de um Buick no seu banheiro.
Alvy Singer (Woody Allen), em Annie Hall (1977)

3 – Normalmente a esta hora vocês dois estariam tão mortos quanto a porra de uma galinha frita, mas desde que entrei em um período de transição, eu não quero matar nenhum de vocês cuzões.
Jules (Samuel L. Jackson, em Pulp Fiction (1994)

4 – A aparência medonha daquele pé vai assombrar meus sonhos para sempre!
Emílio (John Turturro), em A herança de Mr. Deeds (2002)

5 – Este é o meu evento e isto me preocupa
Ronnie “Z-Man” Barzell (John Lazar) em De volta ao Vale das Bonecas (1970)

Anúncios

5 Respostas

  1. O cara utiliza critérios gratuitos, arbitrários demais, nas suas escolhas. Fica a impressão que ele estava mais empenhado em transmitir uma imagem de crítico descolado do que em procurar citações que tivessem o mínimo de relevância ou sentido. Pelo critério dele, valeria tudo, até frases como a do Travolta no Broken Arrow: “Por favor, não toque nas armas termonucleares”. Aí fica fácil demais. Difícil é achar citações lapidares como essa, de O Terceiro Homem:
    Harry Lime: Don’t be so gloomy. After all it’s not that awful. Like the fella says, in Italy for 30 years under the Borgias they had warfare, terror, murder, and bloodshed, but they produced Michelangelo, Leonardo da Vinci, and the Renaissance. In Switzerland they had brotherly love – they had 500 years of democracy and peace, and what did that produce? The cuckoo clock. So long Holly.

  2. Pô, pior que eu não lembro dessa frase no Phibes.

  3. Ah… Sobre o Mr. Deeds. Tá certo que o Adam Sandler não é o Gary Cooper nem o Steven Brill (??) é o Frank Capra. Mas o filme é bem honesto e tem seus momentos. Quando estiver passando na Temperatura Máxima pela 50ª vez, recomendo.

  4. Andaste vendo no YouTube o Tom Stoppard, pelo jeito.

    Vou ver quando passar. MAs se não for isso que tu tá recomendando, vou largar de mão nos primeiros 20 minutos. “A vida é curta, e eu não li todo o Balzac”.

  5. Eu e a bosta: boiando…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: