There is no spoon

Se você não leu os posts mais antigos sobre Matrix não vai entender nada.

Do not try to bend the spoon; that’s impossible. Instead, only try to realize the truth. [What truth?] There is no spoon. Then you’ll see, that it is not the spoon that bends, it is only yourself.

 

 

Neo se encontra com o oráculo, na verdade “a oráculo”. Assim como as religiões mais antigas, a mulher tem o papel fundamental para a explicação da vida. Não podia ser diferente numa história onde a necessidade de confiar na intuição é básica. Já de cara, Neo se depara com uma versão de Buda, que lhe ensina o que é a vontade.

Vontade também é conhecida com o nome de Thelema. Todo mundo conhece o conceito de “força de vontade”, pois então, a vontade tem força. Thelema é o que falta para se parar de fumar ou então, acreditar que pode vencer… e vencer. O ensinamento passado a Neo passa desapercebido para a maioria das pessoas. Elas só se lembram do gurizinho bonitinho com cara de Buda. Não lembram a profundidade do que ele falou. O texto é diretamente inspirado no conceito mais antigo e místico do que é Thelema, pois não adianta bater de frente com um problema. É impossível mudar o que não pode ser modificado. Aquilo que é, não vai mudar, porém, se você compreender qual é o problema, pode elimina-lo.

Já de cara com a Oráculo, Neo recebe a notícia de que ele deve conhecer a sí mesmo. Deve confiar no que ele mesmo é e o que pode fazer. Nada mais justo. Depois de acordar ele finalmente encara a verdade, uma vez livre, você está a mercê de suas próprias decisões. Quem se contenta com um emprego vitalício, ganhando o sustento e baixando a cabeça acha isso uma bobagem. Quem quer evoluir, ter e ser mais, mesmo correndo o risco de fracassar, de forma inefável, acaba crescendo e se tornando uma pessoa melhor.

Se você não é capaz de fazer isso por sí mesmo, tudo bem, na próxima vida você consegue. Referência direta a ressureição e/ou reencarnação. Conhecer a si mesmo é então, acreditar em si mesmo.

A Oráculo representa a mãe de toda a vida, o que pode ser a maneira mais antiga de explicar a existência, mas se existe uma mãe, certamente existe um pai. No antigo misticismo, acreditava-se que a mulher dava a matéria para a vida e o pai dava a forma. Juntos fariam a vida acontecer.

Esses antigos e numerosos deuses da antiguidade, é só vasculhar os panteões, traziam de formas diferentes, deuses diferentes e imperfeitos, uma coisa puxando a outra até a formação da humanidade. Um deus maior, deuses menores… uma verdadeira hierarquia dentro de um sistema que deveria ser matematicamente perfeito.

Isso leva a explicação de várias coisas no âmbito religioso que Matrix levou para a tela. Deuses que existem aos pares e dão luz a outras divindades não é novidade. Nem na nossa realidade, nem no virtual. Os gnósticos por exemplo levam a essa existencia de diferentes deuses até a Bíblia, explicando o Deus psicopata do Antigo Testamento. Para compreender isso, basta ler a Gênese… está lá na dita Bíblia mesmo. Isso explica o porque do Antigo para o Novo Testamento parecem existir dois “Deus”. Um cheio de vingança e tirania, matando, sacrificando e exigindo de seus filhos. Outro que é um hippie, representado por um cara cabeludo, tranquilo e que fala em paz e amor.

Já que Neo não acredita que é, portanto não é. Até Raul Seixas já dizia que há de ser o todo da lei… mas isso é outro assunto. O que interessa é que se ele não acredita, talvez possa acreditar na próxima reencarnação. Nesta… não dá.

Para existir o bem, é necessário existir o mal. Não o mal representado pelo diabo criado pela igreja católica apostólica romana, aquela tremenda bobagem que só fica legal em filme de terror B… Mas a essência do mal. A essência do que há de pior no ser humano.

Os agentes são parte do sistema. Seu trabalho é servir ao sistema, servir ao seu deus… Quem serve diretamente ao sistema e a deus? Quem? Quem? Os anjos, ou arcanos. Em especial destaque o agente Smith, que é o opositor de Neo. Ele sabe o que Neo pode ser, ele precisa fazer com que Neo volte a ser o respeitável senhor Anderson. Ele tem prazer em levar a morte qualquer um e claro… é mau.

Ele é mau porque deseja o controle. As pessoas devem ser controladas para seu próprio bem, afinal, elas não passam de crianças que devem obediência ao sistema. O sistema, que é uma prisão para a mente. Uma egrégora – palavra legal que outra hora explico – onde todo mundo está focado na realidade-prisão oferecida pela Matrix.

Cypher faz o papel dele, tentando retornar ao sistema, ele entrega todo mundo e acaba fazendo com que Neo tome a decisão de salvar Morpheus. Se não fosse por Cypher, ele nunca teria dado um passo a frente. Nada como um tropeço para a gente compreender que é necessário seguir em frente.

Neo acaba salvando Morpheus e durante o processo do aprendizado acaba por começar a acreditar.

Ele enfrenta a morte, aprisionado no meio dos trilhos por um golpe do destino. Na beira da morte, ele finalmente começa a entender que ele pode sim enfrentar seu medo e se tornar o que deve ser.

Ele finalmente começa a conhecer a si mesmo.

O problema é que nem sempre se consegue confiar plenamente em nossas capacidades, Neo falha e é obrigado a fugir. Exatamente como tantas pessoas fazem o tempo todo. Se o problema parece grande demais, não se acha uma solução, simplesmente desiste.

 Na fuga, Neo acaba voltando ao mesmo hotel, no mesmo lugar onde a história começou. O círculo se fecha quando finalmente ele enfrenta o seu contrário, o agente Smith… E ele vence.

Este detalhe está ligado com a profecia da Oráculo.

– Quem sabe na próxima vida.

Como toda profecia, se dá uma dica do que pode acontecer, mas nunca a certeza, afinal, o livre-arbítrio pode tornar realidade ou não o que foi profetizado.

Smith mata Neo. Por amor, a deusa Tríplice o conduz para a ressurreição. Neo está desperto, conhecendo suas possibilidades e pronto para enfrentar seu destino. Está pronto para ser o que ele é.

Quando você estiver com a mente livre, sabendo as suas possibilidades, com o conhecimento e a sabedoria, você vai ver o sistema como ele é. Vai entender como é que a Matrix funciona.

Vai ver as conspirações e enganações, vai deixar de ser um zé mané para finalmente compreender como os códigos que aprisionam a sua mente são… e quebrar os muros que fazem você de gado.

 

Sei que estão aí.
Consigo sentir a sua presença.
Sei que estão com medo.
Estão com medo de nós.
Estão com medo da mudança.

Não conheço o futuro.
Não vim aqui para lhes dizer como isto vai acabar.
Vim aqui para lhes dizer como vai começar.

 

Vou desligar este telefone.
E mostrar a estas pessoas o que não querem que elas vejam.
Vou mostrar-lhes um mundo sem vocês.

Um mundo sem regras nem controles,
sem fronteiras ou limites.
Um mundo onde qualquer coisa é possível.

O nosso caminho depois…
… é uma opção que fica para vocês.

Anúncios

3 Respostas

  1. Tcheloco, pare de tomar a pílula vermelha.

  2. Pare de tomar a pílula, pare de tomar a pílula…

  3. Ah, agora eu entendi. Matrix é um filme de auto-ajuda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: