The Matrix Revisited – Parte 2

Se você não leu o post anterior, não comece por este aqui.

Se você leu… continue com a pílula vermelha, mas lembre-se de que talvez se arrependa. Só ofereço a verdade. Nem mais, nem menos.

Se prefere a pílula azul, vá ver a reprise das novelas na caixa mágica.

Neo está acordando. Ele não acredita no que seus olhos mostraram, mas recebeu a mensagem de que para conhecer a verdade, ele deve seguir o coelho branco. Nada mais. Isso é porque o conhecimento não é apenas entregue. É árduo o processo para adquirir conhecimento e sabedoria. Ela não pode simplesmente ser entregue. Deve ser conquistada. Não é uma corrida. É um caminho.

Quem bate em sua porta?
Um amigo de Thomas Anderson bate em sua porta. Ele é alguém também perdido, mas que procura por salvação em qualquer coisa, inclusive no mundano. Foi culpa da mulher que ele se atrasou, afinal de contas. Tudo bem… sem problemas.
Do livro Simulacro e Simulação, Anderson pega um arquivo de computador. Não se sabe o que é, mas sem dúvida é alguma coisa milagrosa e necessária para o amigo dele. Tanto que ele chama Anderson de “My personal Jesus Christ”. De forma inconsciente, as pessoas já sabiam que Anderson já estava diferente.
Anderson ainda não saiu totalmente do estado de transe zen-budista, ainda está pensando no sonho-acordado com Morpheus lhe dando a pista de que deve seguir o coelho branco. Ao ver o coelho branco tatuado na mulher, ele toma a decisão de forma consciente. Não pela festa mundana em que iria, mas só porque lhe foi dito por Morpheus.
Quem disse que era Morpheus? Ninguém. Mas para todos, incluindo Anderson, era claro. Ele havia chegado a alguma fronteira. Só ainda não sabia qual era.

Essa fronteira tem vários nomes. Estão escondidos no filme e são conhecidos também no conhecimento hermético. Anderson havia conseguido atingir o ponto do despertar. Lembre-se do ditado popular. Quando o aprendiz está pronto, o mestre aparece. Nada mais justo.

Na cena seguinte a boate underground, com o ar hype e decadente onde todo mundo desfruta do que há de melhor e o que há de pior em nosso tempo. Sexo, drogas e muito som que nem de longe é rock. Embora seja o ambiente de sempre, Anderson já está deslocado. Ele não se interessa. Está parado num canto. Está desolado e entre dois mundos. Perdido. Esperando encontrar uma resposta que está procurando por uma pergunta. Até que Trinity finalmente aparece.

Pausa – na antiguidade, o deus Hades tinha 5 condutores, responsáveis pela comunicação entre os deuses e os homens. Hades é o deus do Reino Subterrâneo, que nada tem a ver com inferno, mas com o que para este plano de existência é “desconhecido”. Bem… desconhecido apenas por quem é controlado pela Matrix, quer continuar sendo controlado ou quem acha que tudo que está entre o céu e a terra é explicado no globo repórter. 

Trinity é um dos 5 condutores de almas, que tem por função ajudar qualquer um a despertar. O nome que está oculto em Trinity é que nos interessa. Ela é Hecate, a deusa dos templos lunares. Outra hora explico o que são os templos lunares… Agora é só sobre o filme Matrix. Como que se sabe disso? Não é simples. Ela é quem desperta o desejo sexual no escolhido. Hecate é a deusa que representa o sexo de maneira mágica, como um ritual sagrado. Hecate tem outro nome também, é a deusa tríplice. Tríplice… Trindade… Triple… Trinity.

Ela já sabe que vai despertar a magia sexual no escolhido. Ele nem imagina que ela está em seu caminho. Ela não quer dar o braço a torcer de que já gosta dele. Já havia sido profetizado que ela iria despertar o escolhido e se apaixonaria por ele, mostrando o caminho. Não esqueça dessa parte.

Contato estabelecido

Os agentes que não podem deixar ninguém despertar, que fazem parte do sistema sem entender porque devem fazer isso, apenas cumprem as regras estabelecidadas pela sociedade e por um deus exotérico também descobrem Thomas Anderson logo depois do corretivo por ele tomado na sala do chefe.

Existe uma diferença importante entre exotérico e esotérico, que também está no filme. Exotérico vem de fora para dentro. Assim como as igrejas que corrompem e conduzem as pessoas-gado dizendo a elas para quem e de que jeito devem rezar e claro, justificando sua existencia através de demônios inexistentes. Salve o padre Quevedo… Issu és una innventionisse. Non equsisten demônios. Se equssistem, que vengan todos contra minn ahora. Exatamente. Esse padreco sabe exatamente do que estamos falando, pois ele com certeza estudou as mesmas coisas que os irmãos criadores de Matrix.

Hello Neo

Todo mundo descobriu que Neo é um anagrama de One. O escolhido. Será que todo mundo descobriu que Neo é também o novo? O novo também representa uma fronteira entre o estabelecido e claro, o desconhecido. É exatamente o que todo mundo tem medo… do desconhecido. Você tem, seu vizinho tem… mas se você enfrentar a fronteira do desconhecido, você ficará também de cara com o novo. Você será renovado. Você será Neo. Aí está outra partícula de genialidade… Mesmo sendo Tomé e Filho do Homem, você pode despertar. Neo então não é apenas uma alusão ao filho do carpinteiro como todo mundo falou. Tem mais outra coisa oculta nessa história.

Morpheus?

Nerd que se preze sabe quem é Morpheus. O senhor dos sonhos. O condutor entre os níveis de consciência que levam a meditação profunda. O condutor de Neo, mas que é bem claro que já conduziu vários outros libertos anteriormente. Ele então não está ali apenas para Neo, mas para qualquer outro que quer se libertar deste nível material e se encontrar com um novo nível de evolução. Morpheus, o sonho, a meditação, o sonho-acordado é uma das maneiras que temos para abrir as portas desse outro nível de existencia, além da rude matéria, como muito bem explicado por Yoda.

Morpheus tenta conduzir o escolhido, mas este ainda está muito preso na esfera que ele conhece por realidade. Romper com essa esfera e dar de cara com o que está além não é tarefa fácil. Não é assim, estalar os dedos e pronto… superconsciência.

Neo acaba preso no sistema. Amarrado na burocracia que tenta negociar com ele. Neo encara suas duas faces pela primeira vez, na frente daquele que ainda será a sua antitese. O sistema é cruel. Não quer abrir mão de ninguém. Para que ele se mantenha, precisa de todos que possam consumir cerveja, cigarros e refrigerantes. Qualquer um que possa dizer não, deve ser comprado… corrompido. Lembre-se disso também.

Como Neo e Thomas Anderson já chegaram a um nível de evolução onde já sabem da existência de algo além, ele não se entrega ao sistema. O que o sistema faz com qualquer um que o desafia e não pode comprar? O dobra a força… – é muito dificil falar quando você não tem boca.

Assim como o Google tem informação sobre todos e pode rastrear qualquer um, Thomas Anderson/Neo também acaba recebendo um presentinho para ser rastreado.

Sorte ele ter Trinity do seu lado, senão jamais conseguiria chegar até Morpheus, que se sente honrado em salvar qualquer um que queira realmente saber a verdade.

E você? Neste momento você está em território seguro, protegido por Trinity, pronto para despertar graças ao senhor dos sonhos, que quer lhe conduzir para o próximo estágio de consciência…

Vai encarar saber a verdade ou vai tomar a pílula azul? Vai enfrentar a verdade e descobrir o quão fundo pode ser a toca do coelho ou vai se esconder na sua zona segura, fazendo parte do gado?

A verdade é que continua no próximo post.

Anúncios

2 Respostas

  1. Tamos aqui, cara, tamos aqui!

  2. O Tcheloco anda tomando umas coisas que não são nem a pílula azul nem a vermelha.

    ……

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: