O verdadeiro James Bond?


O sujeito aí em cima é, provavelmente, o mais próximo que você poderia chegar de ver uma foto de James Bond se ele realmente existisse.

Explico: aproveitando, obviamente, a estréia do filme Cassino Royale (já comentada em um post abaixo pelo André), a editora Record se apressou em lançar uma nova tradução do livro que deu origem à série (já com Daniel Craig na capa, como você pode ver aqui). Algumas coisas precisaram ser adaptadas do livro para o filme (o cenário da Guerra Fria não existe mais, e portanto Le Chiffre deixa de ser um espião soviético e vira um banqueiro internacional de terroristas, revolucionários e traficantes) e pequenas situações descritas foram sutilmente adaptadas. O primeiro encontro entre Bond e seu futuro interesse romântico, Vesper Lynd (vivida no filme pela irreal Eva Green), por exemplo, não se dá no avião que leva Bond ao cenário do desafio, e sim em um restaurante, apadrinhado pelo agente britânico atuante em Montecarlo, Mathis (que também participa do filme, tendo importância decisiva na trama). Após uma primeira conversa bem menos tensa do que a que Vesper e Lynd têm no filme, Bond se levanta da mesa em que estão e sai do restaurante, deixando para trás Mathis e Vesper. É nesse momento que o agente se vira para a garota e pergunta o que ela achou dele. Ela responde com o que mais se parece com uma descrição física de Bond até ali:

Ela não olhou diretamente para ele ao responder:
– Ele é muito bonito, parece um pouco com Hoagy Carmichael, mas tem alguma coisa fria e cruel.

Hoagy Carmichael é o cidadão da foto acima, um pianista de jazz nascido em 1899 em Indiana, nos Estados Unidos, contemporâneo do mais conhecido (por quem não é fã de jazz) Duke Ellington. Compositor de uma séries de músicas que hoje são consideradas “standards” do repertório jazzístico, a partir da década de 1940 radicado em Hollywood, fez participações em cinema e alcançou o que se considera o ápice criativo de sua carreira. Ele morreu em 1981, na Califórnia, após um infarto e uma longa carreira que incluiu mais composições clássicas, canções para cinema e TV e até um papel dramático na série Laramie. E, como se vê na foto, ele até lembra um pouco Sean Connery quando jovem (ou melhor, Sean Connery quando jovem, e desconhecido, lembrava um pouco ele).

Anúncios

Uma resposta

  1. Pra mim é o Sinatra disfarçado de Sean Connery.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: